O Mestre dos Mestres

O Mestre dos Mestres
M. Ueshiba - O Sensei - Grão Mestre

Vídeo - Aikido Infantil

Loading...
Google

Visita à Passo Fundo em 26/02

SEJA BEM VINDO

Este Blog é dedicado às pessoas cuja motivação de vida seja o crescimento como ser humano. Admitindo-se que este passa pela opção de valorizar o SER em detrimento do TER e também pela difícil opção consciente que todos os grandes mestres pregam, que é a necessidade de priorizar em primeiro lugar o seu ser, pois este só poderá ser produtivo para os outros na medida em que estiver bem nos planos; físico, mental e espiritual.

Para publicar comentário, em um dos Post, CLIK em comentários, abaixo do texto escolhido.
POSTAGENS
Logo abaixo você sempre encontrara os três ultimos textos publicados.
Para recuperar textos mais antigos, navegue até o final do Blog e clik no link "Postagens mais antigas"

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

OS DOIS SÓIS

"Estou postando, hoje, um texto da minha amiga Zislaine (Upa), uma antiga praticante de Aikido e companheira de viajem, uma autêntica e incansável buscadora, que atualmente já deve ter mais de 40 anos de estrada e morando em Natal, Rio Grande do Norte. Segundo eu sei, este texto foi feito, na sua maior parte, por volta dos onze anos de idade, tive o cuidado de não editá-lo, nem atualizá-lo, para não correr o risco de perder o frescor e a identidade, com a ingenuidade e a pureza do modo de olhar o mundo, de uma criança."


Vou  com meu avô ver Rainha.
Ela está no campo. 
Rainha é uma égua branca, linda, cheia de vida.
Quando a vejo, meus olhos crescem de alegria, quase não dá vontade de dizer nada.
Ela é surpreendente.
Ela é  ágil, forte, educada.. Só atende aos adultos, principalmente a voz de meu avô.
Meu avô é grande.. Eu sou pequena. Quando vamos ao campo, ele me pega pela mão e lá vamos nós.
Olho tudo a minha volta.
O sereno ainda brilha na grama do campo, os quero-queros já estão lá encima, montando guarda.
Vejo o açude.
Rainha está pastando próximo ao açude. Mais  atrás do açude, tem uma cerca de arame farpado.
E mais campo que vai ate se encontrar com o céu, lá diante... vejo os matos de eucaliptos. sinto o perfume que vem das árvores... sinto o cheiro da terra, ainda úmida, do sereno da noite.
Meu avô caminha devagar pra que eu possa acompanhá-lo. O passo dele é lento, o meu é apressado. 
O sol já tá aquecendo a manhã e secando o pasto. As nuvens vão passando, espaçadas, magras, esgarçadas e vão  se  esticando cada vez mais, se separando e se recriando em mais nuvens magras.

O Céu é azul.. O céu é encantador. 
Estou feliz. É normal estar feliz quando vou passear no campo com meu avô. 
Gosto de ver esse encontro entre ele e a Rainha. Quando ele faz: op! op! op!  com sua voz grossa, ela deixa tudo que ta fazendo e vem ao seu encontro, balançando a cabeça pra cima e pra baixo enquanto caminha, espanando as costas com seu rabo espanador. 
Tenho medo, mas ele diz:
-não precisa ter medo. o vô tá aqui.. e recomenda, só vem ao campo com o vô ou com a vó, tá certo? E se volta  para cuidar da égua.
Eu não chegaria perto de um animal assim tão grande que em encanta e me assusta.. não, mesmo..

Mas nessa manha tem algo diferente no céu. tem dois sóis.
Tem o sol de todas as manhãs, amarelo, dourado ainda meio frio como ele é de manhã, e um outro, todo vermelho, escuro como se tivesse anoitecendo.
O sol da manha e o sol to entardecer estão juntos.
O sol do entardecer esta sobre o sol de todas as manhãs.nunca tinha visto isso assim, antes... ainda de mãos dadas com meu avô, olho pra ele  para ver o que ele me diz...
Ele não diz nada, continua caminhando na direção da égua  que está pastando calmamente, próxima a cerca de arame farpado, ela  come capim, arrepia o pescoço  enquanto abana o rabo  e bate com uma das patas dianteiras no chão, certamente para espantar as moscas... mesmo parada, pastando, ela é movimento por todo o corpo.
Volto a olhar o céu..  ele está do mesmo jeito,  azul.. com o sol amarelo, mas tem esse sol vermelho também. E isto hoje chama minha atenção. meu avô larga minha mão e eu fico ali, parada, olhando, olhando... 
Então sinto a voz de meu amigo invisível, o mesmo que me ensina a falar,  vindo de dentro de meu peito e ele diz: -Procura tua escola de arte marcial. Mas, nada sei sobre arte marcial,mas ao mesmo tempo em que não sei, sei sim..
Meu amigo, que mora em meu peito e fala com voz de sentimento, chama-se Anjo da Guarda! 
Só fiquei sabendo seu nome, algum tempo depois, minha tia me contou.
Ele me diz claramente: -Procure por esse sol, procure sua escola de arte marcial, você vai precisar dela, para voltar pra casa... eu respondo a ele  que não  sei aonde ir, pois não conheço lugar algum, a não  ser  a casa de meus avôs e o campo.. ele entende e responde; -Espere, a escola achará você, será uma espera longa, não se esqueça.
Meu amigo, Anjo da Guarda, se cala.
Olho pro meu avô. ele ta ali cuidando de Rainha, escovando seu pelo e jogando água encima dela. Rainha está tomando banho! Meu avô está em seu mundo e eu, ainda não  cheguei no  dele. Ainda estou mergulhada em meu próprio mundo, onde as coisas  falam e aparecem assim, desse jeito. Um sol vermelho de fim de tarde sobre um sol amarelo , ainda frio, no céu de uma manhã no campo de minha primeira infância..
Muitos anos depois re-descubro esse sol, é o Símbolo do Japão e a escola de arte marcial , embora idas e saídas, é o Aikido.

Mas isso dai já é outra estória.

Upa

Nenhum comentário: