O Mestre dos Mestres

O Mestre dos Mestres
M. Ueshiba - O Sensei - Grão Mestre
Google

Visita à Passo Fundo em 26/02

SEJA BEM VINDO

Este Blog é dedicado às pessoas cuja motivação de vida seja o crescimento como ser humano. Admitindo-se que este passa pela opção de valorizar o SER em detrimento do TER e também pela difícil opção consciente que todos os grandes mestres pregam, que é a necessidade de priorizar em primeiro lugar o seu ser, pois este só poderá ser produtivo para os outros na medida em que estiver bem nos planos; físico, mental e espiritual.

Para publicar comentário, em um dos Post, CLIK em comentários, abaixo do texto escolhido.
POSTAGENS
Logo abaixo você sempre encontrara os três ultimos textos publicados.
Para recuperar textos mais antigos, navegue até o final do Blog e clik no link "Postagens mais antigas"

segunda-feira, 4 de junho de 2007

SOBRE O CAMINHO

É com profunda preocupação que observo a atitude belicosa destrutiva de alguns orientadores e instrutores de artes marciais no que se refere ao desenvolvimento do trabalho de seu ensino. É por esse motivo que escrevo aqui algumas palavras sobre a transição, tanto histórica quanto filosófica, ocorrida nas artes combativas no decorrer do fluxo do tempo.
Segundo o doshu do Aikido, Kishomaru Ueshiba, “as artes marciais japonesas tiveram seu foco primeiramente voltado para o ideal de vitória nos campos de batalhas...”. De fato, as artes bélicas desenvolveram-se para a luta, a proteção e a guerra. “Mas este tipo de vitória tem vida curta, ela passa rapidamente e desaparece.” Esta é uma vitória frágil, isto é, se hoje sou vitorioso, amanhã posso ser derrotado! Quem se dedica a vencer uma batalha ou uma competição está semeando uma frustração futura, pois ninguém vence sempre. O treinamento, feito dessa forma, é totalmente voltado para algo exterior, que está fora de si mesmo. Pelas palavras do doshu: “Esta contradição foi resolvida pela formação do budo (O caminho das Artes marciais) e do seu expoente mais moderno, o Aikido. O Aikido ensina o caminho de realizar a vitória absoluta, baseada na filosofia da não-competição”. Ainda pelas sábias palavras do fundador, Morihei Ueshiba, “olhando da perspectiva do Universo, nossas lutas, vitórias e derrotas não são apenas insignificantes, na realidade elas não existem”.
Primitivamente, as artes marciais, pelo menos as japonesas, traziam o sufixo jutsu, que definia uma prática marcial no seu sentido mais beligerante possível, do tipo matar ou morrer, que tinha como motivação a derrota de um inimigo, a destruição de outro ser humano, através do uso da técnica. Como exemplos, cito o Kenjutsu o Jujutsu e o Aikijutsu, compreensíveis na idade média, uma época de lutas feudais e de barbárie; mas, e hoje? Será que é certo insuflar a violência nos jovens que buscam em academias algum tipo de formação? Jovens estes que, por sua própria falta de experiência, são levados por algumas propagandas enganosas, algumas vezes, a acreditar que irão se tornar invencíveis? É certo induzi-los a acreditar que existe algo de bom em sair pelas ruas para procurar inimigos ou até pessoas leigas, para derrotá-los, para tentar provar uma falsa superioridade, um falso poder, uma vez que o verdadeiro poder é ter consciência de possuí-lo e não de usá-lo?
Assim, sabiamente, os grandes mestres japoneses reuniram-se no pós-guerra e decidiram realizar uma mudança filosófica e, conseqüentemente, de nomenclatura, adotando a idéia de as artes serem um do (um caminho filosófico, um caminho de vida) e não um jutsu, apenas uma técnica de luta desprovida de um sentido maior.
O Sensei, Morihei Ueshiba, dizia que o praticante de Aikido deve ter uma mente e princípios a serviço da paz entre todos os seres humanos e não apenas desejar ser mais forte que os outros ou praticar para poder derrotar adversários. O verdadeiro Budo é um trabalho de amor pelos seres humanos. É a atividade de dar vida a todos os seres e não de matar e lutar uns com os outros. O Amor é e deve continuar sendo a divindade guardiã de tudo no Universo; é a força que criou e mantém o universo e nada pode existir sem ele. O Aikido é a realização disso, por ser Amor por excelência. A essência do amor é a aceitação, o acolhimento, não sendo apenas teoria para um praticante de Aikido, que a todo o instante, através da prática psicocorporal, está exercitando a aceitação em vez da resistência e da negação, isto é, buscando resolver conflitos e não criá-los.
O mote principal do Aikido é a formação de pessoas, não a sua destruição. Muito, mas muito tempo antes de superar os outros, o estudante de Aikido deve treinar exaustivamente para superar e entender os seus inimigos interiores, como vaidade, egoísmo, individualismo e medos inconscientes. O treinamento é voltado para o próprio crescimento através da busca pela perfeita união entre o espírito, a mente e o corpo, fortalecendo a personalidade e desenvolvendo um bom caráter. Somente assim o praticante de Aikido poderá auxiliar outros em sua caminhada para um mundo melhor.

R. C. Vargas Fº

Uma luz fraca não pode iluminar o caminho de outros.

3 comentários:

Eduardo Horta disse...

Lindo texto, Sensei!

Marcio Kurtz disse...

Sábias palabras de uma pessoa que realmente pratica o que filosofa. Lembro de uma frase dita por ele a algum tempo atrás em uma entrevista : "Facil é destrui uma pessoa, o dificil é contruir uma".

Acredito que para aumentarmos nossa luz é necessário identificarmos nossas trevas. O aikido é uma ótima ferrramenta para tal. Abraço Marcio Kurtz.

Anônimo disse...

Acho que o artigo "O primeiro Sensei a gente nunca esquece", no site: http://www.aikidotensei.com.br fala sobre o sr., muito interessante.